Vício e dependência há diferença? Quais são elas?
13 de novembro de 2018
Como lidar com o uso de drogas na gestação
27 de dezembro de 2018

Quais os tipos de dependência química?

A dependência química, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças, o CID-10, é conceituado como uma combinação de fenômenos fisiológicos, comportamentais e cognitivos que aparecem após o uso repetido de determinada substância.

Por se tratar de uma doença crônica, ou seja, uma patologia que precisa de cuidados por muitos e muitos anos, às vezes pelo resto da vida, apresenta um tratamento difícil de ser realizado, mas que consegue oferecer bons resultados e que podem ser duradouros. Há diversos fatores envolvidos como os psicossociais, genéticos e outros.

Há diversos tipos de dependência química que pode ser por uma substância específica como a cocaína ou por um grupo de substâncias como os opiáceos. Vejamos abaixo um pouco mais sobre os principais tipos de dependência e suas características.

Quais os principais tipos de dependência?

Dependência tecnológica

Atualmente, com o avanço da tecnologia, uso constante de smartphones, internet e outros, temos que lidar também com a dependência tecnológica e já há, inclusive, clínicas especializadas para esse tipo de tratamento.

O uso de redes sociais, por exemplo, vem aumentando consideravelmente. Por exemplo, os brasileiros gastam cerca de 3 horas por dia nesse tipo de entretenimento por meio do smartphone. As crianças, adolescentes e jovens adultos são os mais atingidos por essa onda tecnológica.

Porém, os viciados e dependentes costumam passar cerca de 20 horas por dia na internet, não importa em qual dispositivo. As consequências desse tipo de uso podem ser várias, inclusive, chegar ao óbito. Em 2012 um caso no qual uma jovem morreu após ficar 40 horas seguidas jogando pela internet — não parando para comer ou beber — ganhou as manchetes.

Dependência emocional

Outro tipo de independência que ainda é um tanto negligenciado pela maioria, mas que pode causar problemas graves, não só para o dependente, mas também para as pessoas que estão próximas.

Normalmente, essas pessoas só se sentem bem quando estão na companhia de outras e o bem-estar depende diretamente das outras pessoas. Quem tem dependência emocional pode se sentir muito mal no momento em que é rejeitado pelo outro. Há muitos casos que vemos na TV e em manchetes de pessoas que mataram ou agrediram o ser amado por ser rejeitado.

Dependência de drogas lícitas

Sim, a dependência não é apenas de cocaína, maconha e outras substâncias ilegais. As pessoas também podem desenvolver uma dependência química por drogas lícitas como foi o caso da famosa Marilyn Monroe que morreu de overdose pelo consumo de barbitúricos, que oferecem um efeito sedativo.

Outro tipo de dependência química ainda mais comum é pelo álcool. Por ser de fácil acesso e de ampla aceitação da sociedade não é difícil ver pessoas ainda muito jovens como adolescentes, desenvolvendo dependência pelo álcool.

De acordo com uma pesquisa realizada em 2016 pela Organização Mundial de Saúde, nesse mesmo ano, houve um consumo de 6,4 litros de álcool por cada pessoa com 15 anos ou mais.

Esse tipo de dependência pode causar uma série de desordens e logo afeta o trabalho e também os relacionamentos mais íntimos com a família. Com o passar dos anos, sem o devido tratamento, as consequências envolvem infertilidade, problemas respiratórios e cardíacos e também doenças hepáticas.

Dependência de drogas ilícitas

São menos acessíveis, mas nem por isso os números deixam de ser significativos. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), há quase 160 milhões de pessoas no mundo usando alguma substância derivada da cannabis, podendo ser maconha ou haxixe. Isso significa que 3,8% da população mundial e estamos falando de apenas 1 dos tipos de drogas ilícitas.

Apesar de ilegais, elas podem ser facilmente encontradas em festas, especialmente de jovens como universitárias ou as famosas raves que costumam acontecer em sítios afastados da cidade e também do olhar da polícia.

A ação alucinógena e de euforia que essas drogas oferecem são o principal motivo do consumo. As pessoas se sentem mais corajosas a fazerem coisas que sem o efeito da droga não fariam. Porém, com o uso constante, além da dependência, é possível identificar outros sinais e sintomas como insônia, ansiedade e muitas vezes paranoia.

Conclusão

É muito importante conseguir identificar alguns tipos de comportamentos, especialmente no início da dependência. O usuário passa a ficar mais negligente com coisas que antes era importantes para ele como relacionamentos, aparência física ou mesmo o trabalho. Ele passa a chegar atrasado ou então para de ir.

A melhor forma de tratamento é buscar por ajuda profissional. Busque por clínicas que ofereçam uma equipe multiprofissional com psiquiatras, psicólogos e outros, além de cumprir com todas as legislações pertinentes.

O ambiente precisa ser agradável, afinal de contas, a pessoa não está presa, ela está na verdade, doente e precisando de ajuda. Esse deve ser um espaço no qual ela se sinta segura e fique distante de acontecimentos do dia a dia que possam desencadear uma nova crise, levando o usuário a desejar a droga novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat