Como funciona a internação compulsória?
29 de janeiro de 2019
O que fazer quando o dependente químico não quer ajuda?
12 de fevereiro de 2019

Como o alcoolismo afeta a saúde física e mental

O alcoolismo se tornou um sério problema de saúde pública para o nosso país. Enquanto a média mundial é de 6,4 litros por pessoa, no Brasil, a média foi de 8,9 litros por pessoa em 2016 de acordo com estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS). No mundo, ao álcool é responsável por 5,9% das mortes.

Os números são muito preocupantes. A saúde da pessoa que se tornou alcoólatra vai se deteriorando a cada dia que passa, não apenas a física como também a mental. Muitas vezes, esta costuma ser a causa do problema que acaba piorando com a presença do álcool.

Os mais afetados são os adultos entre 25 e 39 anos. Eles representam os 25% das 3,3 milhões de pessoas que morrem, todos os anos, por causa do alcoolismo.

Para compreender um pouco mais sobre a gravidade do problema, falaremos abaixo sobre os danos à saúde física e mental que o alcoolismo pode causar.

Como o álcool afeta a saúde física?

A presença de álcool de forma constante no organismo está associada a uma série de doenças crônicas e que não têm cura como diabetes, hipertensão arterial e o câncer. Porém, uma das patologias que se desenvolve diretamente pela presença do álcool é a cirrose hepática.

Cirrose hepática

Essa doença é caracterizada pelo desenvolvimento de lesões contínuas que cicatrizam e, com o passar do tempo, fazem com que o fígado reduza a sua função. Aliás, as funções que o fígado exerce no nosso corpo são extremamente importantes:

  • armazena glicogênio;
  • metaboliza, ou seja, auxilia na digestão das gorduras;
  • também ajuda a digerir as proteínas;
  • processa medicamentos;
  • sintetiza a maioria das proteínas.

Essas são apenas as funções principais do fígado e há outras, portanto, esse órgão é de extrema importância. Quando ele começa a falhar, todo o funcionamento do corpo fica prejudicado. Essas lesões constantes causadas pelo álcool, quando não tratadas, levam o indivíduo à morte pela falência do órgão.

Na verdade, a função não fica prejudicada pela presença do álcool ou pela formação de lesões, mas sim pela fibrose formada das cicatrizações (consequência do consumo de álcool e das lesões). Por conta disso, o tecido perde diversas funções importantes, por exemplo, os receptores que enviam ao cérebro a mensagem de que é necessário metabolizar uma determina substância, já não consegue passar a informação como antes.

O grande problema da cirrose hepática é que o fígado pode ficar por anos e anos sem reclamar. E, quando isso acontece, pode ser tarde. O problema não tem cura e as lesões que já estão instaladas não podem ser revertidas. O que se pode fazer é cessar o consumo de álcool para evitar um prejuízo maior.

Imunidade

Quem bebe com frequência também apresenta mais chances de ficar doente já que o álcool reduz o poder que o sistema imune tem de combater certos agentes agressores como bactérias e vírus.

Apenas 4 ou 5 doses por dia já é capaz de deixar o corpo mais vulnerável a infecções. Uma das células do sistema imune afetada são os monócitos que matam os agentes infecciosos englobando-os como um tipo de “sufocamento” celular privando-os de alimento. Com a presença da intoxicação alcoólica, as funções dessa célula ficam prejudicadas.

Outra substância que também fica prejudicada é o interferon, um tipo de proteína que ajuda o corpo a parar a reprodução dos vírus dentro das células. Após mortas, essas células liberam mais interferon avisando às outras sobre o ataque. Assim, quem consome álcool diariamente também está mais suscetível a infecções virais.

Fertilidade

O consumo de álcool é capaz de comprometer tanto a fertilidade masculina quanto a feminina. No caso dos homens, a qualidade do esperma fica prejudicada (espermas de tamanhos diversos e com defeitos). No caso das mulheres, apenas 3 taças de vinho por semana podem interferir na fertilidade. A capacidade de engravidar passa a ser de apenas ⅔ das chances de uma pessoa que não consome álcool.

Como o álcool afeta a saúde mental?

Memória

O álcool é uma das substâncias mais prejudiciais para a memória. Quando esse fator é unido ao envelhecimento, então a situação fica ainda mais grave, pois, com o passar dos anos, é normal que a nossa memória já não guarde tantas informações e o álcool acelera esse processo.

O que acontece no cérebro é o seguinte: os componentes do álcool ocupam o lugar da glicose no sistema nervoso central. Assim, essa molécula não pode se ligar para fornecer a energia suficiente. O álcool, por sua vez, não é capaz de fornecer essa mesma quantidade de energia, prejudicando todo o funcionamento do cérebro, inclusive, a memória.

Isso fica claro, por exemplo, quando uma pessoa bebe em demasia e não se recorda do que aconteceu no dia seguinte. Mesmo que seja algo pontual, por esse tipo de episódio é possível perceber o quanto o álcool pode afetar a nossa capacidade de guardar lembranças.

Inteligência emocional

A inteligência emocional é a nossa capacidade de lidar com os problemas do dia a dia de forma equilibrada. Não nos desesperamos frente às “pedras no caminho” e tentamos encontrar soluções para removê-las. Porém, o álcool faz com que essa capacidade seja reduzida afetando assim a nossa vida profissional, familiar e social de uma forma geral.

Um estudo realizado por uma psicóloga mostrou que pessoas afetadas pelo alcoolismo apresentam maior dificuldade em reconhecer as próprias emoções e as de terceiros. Para isso, ela utilizou um sistema de computador com leitura facial e comparou alcoólatras com pessoas saudáveis.

Vários rostos, com diversas expressões — nojo, raiva, alegria, entre outras — foram mostradas para os participantes e, claramente, os alcoólatras tiveram mais dificuldade em identificar as emoções em cada uma das imagens.

Depressão

Além de reduzir a qualidade do sono (um fator que está relacionado à depressão), o álcool também aumenta o risco do indivíduo desenvolver a doença. Pessoas que consomem bebida alcoólica constantemente tendem a ter pensamentos negativos repetitivos e não consegue ficar livre deles. Por causa disso, vários distúrbios como a depressão — e também a ansiedade — podem se desencadear.

O alcoolismo é um grande problema para as famílias. Muitas sofrem, pois tentam ajudar o usuário, mas não são capazes e se sentem impotentes diante do problema sem saber o que fazer. Nesse momento, buscar por ajuda profissional em uma clínica equipada e com especialistas é a melhor solução.

Tem um paciente alcoólatra na família? Veja como você pode ajudá-lo e como uma clínica de recuperação pode ser essencial no caso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat